Agepen e Conselho da Comunidade inauguram espaços para trabalhos e cursos no semiaberto feminino da Capital

Categoria: Tratamento Penal | Publicado: quinta-feira, junho 18, 2015 as 16:02 | Voltar

Campo Grande (MS) – O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), inaugurou na manhã desta quinta-feira (18) um espaço específico para oficinas de trabalho e realização de cursos profissionalizantes no Estabelecimento Penal Feminino de Regimes Semiaberto, Aberto e de Assistência às Albergadas de Campo Grande (EPFRSAAA-CG).

Com recursos disponibilizados pelo Conselho da Comunidade de Campo Grande (CCCG), na ordem de R$ 42 mil, foram construídos 84 m² de área, divididos em: uma oficina de trabalho e uma sala multifuncional para cursos profissionalizantes e demais ações de educativas. No espaço, também foi erguida uma sala destinadas aos trabalhos da direção.

Semiaberto Feminino2

A agência penitenciária e o CCCG lançaram também o projeto “Alinhavando Sonhos’, através do qual as reeducandas serão capacitadas em cursos de corte e costura. As sete máquinas que serão utilizadas foram adquiridas pelo Conselho da Comunidade, com investimento de R$ 27 mil. Conforme o projeto, a oficina, iniciada no EPFRSAAA-CG, será itinerante, devendo capacitar internos de outras unidades prisionais de Campo Grande.
Para a diretora do presídio, Rita Luciana Domingues, oferecer espaços adequados para o desenvolvimento de trabalhos e de cursos profissionalizantes contribui para a disciplina e reinserção social das custodiadas. “Necessitávamos de um espaço mais adequado e, graças a essa importante ajuda do Conselho, isso se tornou possível”, agradeceu.

Semiaberto Feminino9

O diretor-presidente da Agepen, Ailton Stropa Garcia, destacou que, apesar das grandes demandas que o Sistema Penitenciário de Mato Grosso do Sul possui, muitas ações vêm sendo desenvolvidas graças, principalmente, ao trabalho e empenho dos diretores e servidores de uma forma geral, e ao apoio constante do Poder Judiciário, Ministério Público, Conselho da Comunidade, entre outros.

Para a promotora de Justiça Jískia Trentin, uma das idealizadoras da construção desses novos espaços para o trabalho e qualificação profissional no EPFRSAAA-CG, a efetivação do projeto demonstra a importância de “dar as mãos para que as coisas aconteçam”.

Semiaberto Feminino11

Em seu discurso, a promotora também falou do valor da ocupação produtiva na vida das pessoas. “Sem o seu trabalho, o homem não tem honra, e sem a sua honra, se morre, se mata, não dá pra ser feliz”, disse citando um trecho da música “Menino Guerreiro”, do cantor Gonzaguinha, com referência à necessidade de se oportunizar trabalho à população carcerária para que não haja a reincidência criminal.

Representando o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Silvo Cesar Maluf, na solenidade, o superintendente deSemiaberto Feminino12 Políticas Penitenciárias, Rafael Garcia Ribeiro , parabenizou a direção da Agepen pela condução dos trabalhos e reafirmou o compromisso do Governo em garantir uma política voltada ao tratamento penal humanizado em Mato Grosso do Sul.

Alinhavando Sonhos

 Dez reeducandas do Estabelecimento Penal Feminino de Regimes Semiaberto, Aberto e de Assistência às Albergadas de Campo Grande iniciam nesta sexta-feira (18) o curso de corte e costura por meio do Projeto “Alinhavando Sonhos”, promovido em parceria com o Conselho da Comunidade de Campo Grande.

A capacitação será ministrada pela ex-interna da unidade prisional Lázara Martins dos Santos, que possui curso superior na área de moda e é empresária no ramo da costura, conquistas efetivadas quando ainda estava no presídio, servindo de exemplo para as ex-companheiras de cárcere.

Semiaberto Feminino13

Durante o lançamento do projeto, Lázara, que hoje cumpre livramento condicional, deu um depoimento emocionante sobre como é possível reconstruir a própria história de vida com esforço, vontade e dedicação: “Eu fiquei 10 anos presa no regime fechado e, para mim, a vida era só aquilo ali mesmo. Aí eu vim para o semiaberto e comecei a pensar que podia ser diferente; consegui trabalho com o Conselho da Comunidade, depois comecei a minha empresa de costura e hoje eu dou emprego para outras internas. É difícil muitas vezes pensar que vamos trabalhar como costureira e ganhar só um salário mínimo, mas isso é só um começo, a gente tem que trabalhar  para ser a melhor costureira da empresa, quando pensamos que não, podemos ser promovidas a diretora da empresa, e, com muito trabalho, a gente pode se tornar a dona do próprio negócio. Basta a gente querer que não faltam oportunidades”, disse, arrancando aplausos do público presente na solenidade.

Publicado por: Keila Terezinha Rodrigues Oliveira

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.