Xadrez leva inclusão a detentas de Corumbá em competição com atletas de todo o Estado

Categoria: Tratamento Penal | Publicado: segunda-feira, dezembro 18, 2017 as 10:06 | Voltar

Campo Grande (MS) – A transformação de condutas e a inclusão social pelo esporte da mente. Esse é o foco do projeto “Xadrez que Liberta” realizado no Estabelecimento Penal Feminino “Carlos Alberto Jonas Giordano”, em Corumbá, por meio de parceria entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), Poder Judiciário, Conselho da Comunidade e Clube de Xadrez Pantanal.

Nesse último final de semana, a iniciativa garantiu a participação de três reeducandas do regime fechado no campeonato estadual feminino, realizado na capital pela Federação Sul-mato-grossense de Xadrez (Fesmax). Elas puderam disputar de igual para igual com outras atletas, representando um verdadeiro exemplo de ressocialização, como estabelecido pela Lei de Execução Penal.

Apesar de nenhuma ter ficado entre as vencedoras, a experiência serviu para elevar a autoestima e reavaliar escolhas que as levaram para o mundo do crime e resultaram na prisão. “Comecei a jogar xadrez por curiosidade, e ganhei gosto. A prática desse esporte vem me ajudando muito”, revelou a interna Naira Catriani, de 21 anos, orgulhosa por ter viajado 428 KM para participar da disputa, representando, com as outras duas, as demais participantes do projeto.

A iniciativa no presídio foi idealizada pelo juiz da Execução Penal de Corumbá, André Luiz Monteiro, e as aulas de xadrez são ministradas pelo professor Augusto César Samaniego, vice-presidente da federação na Região do Pantanal. Pela participação, a cada 12 horas de aulas e prática, as alunas têm um dia na pena remido.

Para o presidente da Fesmax, Ângelo M. de Souza, o esporte proporciona às custodiadas uma nova perspectiva de ocupação da mente, disciplina, projeção dos lances no jogo e na vida. “A Fesmax apoia e incentiva todas as práticas que fomentam nosso esporte”, destacou.

A diretora do presídio feminino de Corumbá, Anelize Lázaro de Lima, viajou até Campo Grande, junto com agentes penitenciários responsáveis pela escolta, para acompanhar de perto o campeonato. A dirigente ressaltou a relevância de as detentas poderem participar de um torneio de alto nível, podendo interagir com pessoas tão capacitadas. “Serve de incentivo”, afirmou.

Na opinião da dirigente, a atividade tem sido muito positiva na unidade prisional, refletindo diretamente na disciplina das custodiadas, já que diminui o nível de ansiedade, característico do ambiente de aprisionamento.

O diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, destacou que o xadrez é utilizado de maneira pedagógica em muitos países do mundo, pois exige muito raciocínio lógico, concentração, habilidade e conhecimento. “E a realização de mais esse projeto demonstra o entrosamento entre a direção do presídio, a Vara de Execução Penal e o Conselho da Comunidade local. Essa parceria tem sido muito importante”, agradeceu.

O projeto “Xadrez que Liberta” é realizado no Estabelecimento Penal Feminino “Carlos Alberto Jonas Giordano” há um ano e oito meses, já tendo capacitado várias reeducandas. No torneio do ano passado, realizado em Corumbá, as detentas conquistaram a 2ª e 3ª colocações.

Fotos: Divulgação Fesmax.

 

Publicado por: Keila Terezinha Rodrigues Oliveira

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.