Com foco na diversidade cultural de MS, obra reúne sonetos escritos por reeducandos do Instituto Penal

Categoria: Educação | Publicado: sexta-feira, dezembro 21, 2018 as 07:09 | Voltar

Campo Grande (MS) – A diversidade traduzida em sonetos, escritos pelas mãos de quem têm a liberdade como sonho e a busca de um novo caminho, longe da criminalidade, como missão. Assim é um projeto pedagógico desenvolvido com internos do Instituto Penal de Campo Grande (IPCG) que resultou na produção de um livro, lançado nessa quinta-feira (20.12), durante o encerramento do ano letivo no presídio.

O projeto é uma iniciativa da Escola Estadual Polo “Regina Anffe Nunes Betine”, responsável pelo ensino em unidades prisionais de Campo Grande, parceira da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) em ações de reinserção social. A obra reúne 30 sonetos escritos pelos reeducandos, desenvolvidos durante as aulas de Português e Literatura do Ensino Médio.

De acordo com a coordenadora do projeto, Jaqueline Velasques Escolante, a ideia surgiu da percepção do grande medo que os internos tinham de escrever. “Começou durante um concurso de redação, percebi a grande dificuldade que tinham em se expressar, então pensei na poesia, em sonetos, para vencerem esse medo. Trabalhamos a contagem de sílaba métrica, e como era composto um soneto”, informou a professora, revelando que utilizou a leitura de textos de Vinícius de Moraes como inspiração para os alunos.

A educadora ressaltou que a proposta foi desmistificar a ideia errônea de que é necessário ter o “dom de palavras” para superar a dificuldade da expressão oral e escrita. “Todos têm algo a dizer, a compartilhar, e precisam documentar o que vivem, as reflexões sobre coisas da vida”, argumentou.

Com o título “A Diversidade em Soneto”, o livro aborda a heterogeneidade cultural de Mato Grosso do Sul, com foco nas questões relacionadas a indígenas, negros e imigrantes, em alusão aos povos que compõem a cultura sul-mato-grossense, além de uma visão sobre os Direitos Humanos.

A proposta pedagógica do projeto propõe uma ação integradora do aluno com a sociedade, através da leitura e da escrita, contribuindo para a aprendizagem. “Na unidade prisional nos deparamos com alunos que estão fora das salas de aulas há muitos anos, então, com esses trabalhos, buscamos estimulá-los a formarem uma imagem positiva de si mesmos, levando a um desempenho pessoal”, destaca a professora.

Além do ensino da escrita e de interpretação de textos, o trabalho também teve enfoque no desenvolvimento da educação ética, com a abordagem sobre o tema durante dinâmicas estabelecidas em sala de aula.

O interno Welton de Oliveira Gondin é autor de quatro sonetos apresentados no livreto e garante que o poder de se expressar é muito empolgante. “O tempo que estou em uma cela, procuro escrever para me ocupar, aprendi muito escrevendo sonetos”, afirma, revelando que sonha ter um livro de sua autoria quando deixar a prisão.

A paixão pela escrita também rendeu a Welton o primeiro lugar este ano, na categoria estadual, em um concurso de redação promovido pela Defensoria Pública da União junto à população carcerária de todo o país.

O livreto lançado no IPCG tem 48 páginas e traz também gravuras alusivas aos temas abordados, todas desenhadas por reeducandos. A obra teve o apoio da Secretaria de Estado de Educação (SED), que proporcionou a impressão e encadernação, para que os exemplares pudessem ser distribuídos aos autores.

Ano Letivo

Chefe de Educação da Agepen, Rita de Cássia.

As escolas responsáveis por ensino oferecido em Mato Grosso do Sul prepararam solenidades de encerramento do ano letivo nas extensões escolares instaladas nos presídios do Estado. Segundo a chefe da Divisão de Educação da Agepen, Rita de Cássia Argolo Fonseca, cerca de 3,6 mil reeducandos estudam em Mato Grosso do Sul, conforme último levantamento realizado no mês de novembro.

Em Campo Grande, a programação teve início no dia 17 no Estabelecimento Penal Feminino “Irmã Irma Zorzi”, e foi concluída nessa quinta-feira no IPCG, com realizações também, no decorrer da semana na penitenciária de Segurança Máxima e no Centro de Triagem.

Para a diretora da Escola Polo Regina Anffe Nunes Betine, Cacilda Inácio da Silva, a educação tem um papel fundamental de transformar a vida das pessoas. “A educação é uma via de mão dupla, uma troca, não depende só do professor, por isso não desistam”, destacou em discurso, durante a solenidade de encerramento no IPCG, presídio que reúne o maior número de reeducandos estudando no estado, com 435 alunos.

O encerramento do ano letivo no IPCG contou com a participação da diretora de Assistência Penitenciária da Agepen, Elaine Arima Xavier castro, e do chefe da divisão de Segurança e Custódia, Valdimir Ayala. Durante o evento, também foi realizada mostra cultural com exposições de trabalhos realizados no semestre, e apresentação musical dos internos. A cerimônia também marcou a entrega de medalhas aos times campeões do torneio de futebol realizado no presídio.

Dourados

A solenidade de encerramento do ano letivo na Penitenciária Estadual de Dourados, segundo presídio com maior número de presos estudando no estado, foi realizada na última sexta-feira (14.12) pelo Centro Estadual de Educação de Jovens e Adultos (CEEJA), responsável pelo ensino no local.

Na oportunidade, com o apoio da direção da PED, foi promovida uma confraternização, com homenagens dos professores aos alunos, recitação de poesias, teatro, bingo e sorteio de prêmios para os alunos.

Os professores montaram uma ceia de Natal com uma grande mesa de frutas, além de almoço especial aos estudantes. Também foram doados kits de higiene.

Texto: Keila Oliveira e Tatyane Santinoni.

Fotos: Tatyane Santinoni.

Publicado por: Keila Terezinha Rodrigues Oliveira

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.